RSS

E OS NAVIOS AFUNDARAM!

25 mar

“Entrando Jesus no barco, seus discípulos o seguiram. De repente, se levantou no mar uma grande tempestade, de sorte que o barco era coberto pelas ondas, mas Jesus dormia. Os seus discípulos aproximaram Dele e o despertaram, dizendo: Senhor, salva-nos, estamos perecendo. Ele lhes disse: Por que temeis, homens de pequena fé? Então levantando-se repreendeu os ventos e o mar, e se fez grande bonança” (Mt. 8:23-26).

Na metade do século XX, já havia pelo menos duas poderosas companhias de navegação concorrendo entre si – a britânica Cunard Line e a americana Collins Line. Todavia a companhia de Edward Knigth Collins perdeu a confiança do público e faliu dez anos depois, porque um de seus navios, o Arctic, se chocou contra uma embarcação francesa e naufragou, com 346 pessoas a bordo, inclusive seus familiares e cinco pessoas da família de seu sócio. Outro navio, o Pacific, desapareceu durante uma viagem a Liverpool, e só foi localizado em 1986, mais de 150 anos depois. Um terceiro navio da Collins, o Atlantic, bateu contra um bloco de gelo logo no primeiro dia da viagem, ao deixar o porto de Nova York.

Só na metade exata da década de 1910, três enormes navios foram para o fundo do mar, matando 3.001 pessoas: o Empress of Ireland em 1914, o Lusitânia em 1915 e o Britannic em 1916. O Titanic é outro, a começar pelo nome, que lembra os Titãs, divindades gregas primitivas, filhos de Urano (deus do céu) e Gaia (deusa da terra). O Titanic não teria afundado se o diretor da empresa de navegação White Star Line, dona do navio, a tripulação e os passageiros não estivessem possuídos pela idéia fixa de que o transatlântico era insubmergível. Todos se portaram como Tomé: era preciso ver o maior navio de então afundar para crer que ele não era insubmergível. Quando viram, creram; quando creram, morreram. Um dos violinistas, já no convés do Titanic, entre gritos de desespero, começou a tocar um dos mais ternos hinos religiosos, no que foi imediatamente acompanhado por outros violinos, viola e violoncelo – quem sabe – uma confissão de última hora, para compensar a desatenção coletiva dada a Deus até então e a soberba daquele passageiro incontido que achava e declarou em público que nem Deus podia afundar o Titanic. Pois todos que ouviram a melodia certamente se lembraram no mínimo do título do hino: Nearer, my God, to Thee (Mais perto, meu Deus, de Ti).

Quando Jesus está no controle da nossa vida, em meio a tantas lutas, provações, dificuldades, problemas, não há necessidade de temermos, porque com certeza não pereceremos. Jesus precisa estar no barco da nossa vida, nos controlando e dirigindo. Ele é a solução! Em tempos difíceis, como os ventos, as tempestades e as ondas que se levantam em nosso caminho, Ele está sempre pronto para nos socorrer dos Icebergs da vida. Jesus disse: “Sem mim, nada podeis fazer!” (Jo. 15:5). Com Jesus no barco chegaremos seguros.

Quero concluir esta mensagem de reflexão, citando aquela antiga canção que diz: “Se as águas do mar da vida quiserem te afogar, segura nas mãos de Deus e vai”.

Que o Comandante Jesus esteja na direção do seu barco e te abençoe a cada momento.

Shalom Aleichem!

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 25/03/2011 em REFLEXÕES

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: